facebook1

APOIE A UMAR
NA SUA DECLARAÇÃO
DE IRS!

irs

Apoiar a UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta é muito simples e gratuito! Basta canalizar legalmente 0.5% do IRS que já pagou ao Estado para a UMAR - não custa nada!

Basta no Modelo 3 ir ao Anexo H, escolher o Campo 1101 do Quadro 11 e colocar o NIF da UMAR: 501 056 246

Assim, ajuda-nos a continuar o nosso trabalho de intervenção social, que já conta com 40 anos. Esta é uma forma de contribuir para o activismo em prol da Igualdade de Género e o trabalho político, social e cultural que desenvolvemos. Apoia-nos na luta contra as múltiplas discriminações e pelo fim das violências sobre as mulheres!

OBRIGADA!

Importante

Se não quer que saibam que esteve neste site CLIQUE AQUI

Newsletter

nao assedio
História - 2ª Fase 1978/1984

Ital

"O pessoal é político" - o direito à contracepção e ao aborto

 

Já em 1977, a UMAR tinha tomado posição pública sobre o direito ao aborto e participado na recolha de 5 mil assinaturas entregues no dia 8 de Março na Assembleia da República, exigindo a legalização do aborto.
Esta fase da vida da associação tem como centro a luta pela contracepção e aborto, mas não deixa de ter outros enfoques, como foi o caso da manifestação contra o tráfico de mulheres realizada no Porto a 28 de Janeiro de 1978, exemplo único no país até à actualidade.
Destacam-se como principais iniciativas:
  • solidariedade com Maria Antónia Palla e Conceição Massano;
  • edição do folheto: "Aborto, as mulheres acusam";
  • manifestação contra o tráfico de mulheres no Porto;
  • solidariedade com as trabalhadoras do Aviário do Freixial, com as bordadeiras da Madeira e com as operárias da Plessey;
  • denúncia de assédio sexual de um fiscal da Lisnave em relação às mulheres da limpeza;
  • integração da UMAR na CNAC- Campanha Nacional pelo Aborto e Contracepção;
  • festa da Revista Mulher d'Abril; 3º Encontro Nacional;
  • exigência da reabertura da maternidade de V. Real de Sto. António;
  • abaixo-assinado contra o concurso Miss Madeira;
  • inquérito às relações familiares através da revista Mulher d'Abril;
  • manifesto entregue no dia 8 de Março de 1981, no Parlamento, exigindo, entre outras reivindicações, o direito à contracepção e aborto;
  • sessão cultural no teatro Vasco Santana;
  • acções em defesa dos direitos das mulheres consignados na Constituição e no Código Civil;
  • edição do folheto: "Contracepção para não abortar, legalização do aborto para não morrer";
  • recolha de assinaturas para o abaixo-assinado "Nós abortámos";
  • participação na semana da CNAC pela legalização do aborto e na concentração em S. Bento;
  • exibição das camisolas dentro da Assembleia da República com a frase: "Nós abortámos" (acção conjunta com mulheres da CNAC).