SOLIDARIEDADE DA UMAR COM AS TRABALHADORAS DA TRIUMPH

"Estamos aqui há anos, para nós não sobra nada! Demos a vida por esta empresa"

Foto Pedro Nunes - Lusa 1

Estas foram palavras doridas saídas com emoção da boca de trabalhadoras da Triumph.

Uma fábrica com 57 anos, com 463 trabalhadoras especializadas em lingerie a qual percorre o mundo com vendas garantidas.

No início de 2017 a empresa foi adquirida pela TGI-Gramax que prometeu novos investimentos, na presença do ministro da Economia numa visita à fábrica.

Mas a distância entre as palavras e os actos está bem patente no processo de insolvência da fábrica que está a ser realizado.

"Nós para eles não somos só números, somos também fardos dos quais eles se querem descartar". Vão deslocar a fábrica para um país com mão-de-obra mais barata é a opinião das trabalhadoras.

Apoiar a luta das trabalhadoras da Triumph é uma questão de solidariedade, mas não só!
É mostrar que a luta pelo direito das mulheres ao emprego continua actual e que associações feministas como a UMAR devem procurar dar força a estas lutas.

Não se trata apenas de uma luta sindical, e saudamos aqui a intervenção do Sindicato do sector, mas também uma luta pela sua independência económica como mulheres, que sempre trabalharam fora de casa e que podem estar condenadas ao desemprego e a quotidianos marcados pela rotina de uma vida sem horizontes.

A UMAR desde o início que tem acompanhado e partilhado as notícias sobre esta importante e longa contestação na sua página de facebook e irá estar presente com uma delegação no próximo domingo dia 21 pelas 15h junto das trabalhadoras da Triumph à porta da fábrica em Sacavém.

Queremos deixar-lhes uma mensagem de solidariedade e de apoio à sua luta.

Lisboa, 18 de janeiro de 2018
A Direção da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta