facebook1

Newsletter

Notícias e Comunicados

Estimada associada,Segue, em anexo, a convocatória com a a Ordem de Trabalhos para a próxima Assembleia Geral Extraordinária da UMAR que terá lugar em Lisboa, na nossa sede nacional em Alcântara (CCIF/UMAR), no Domingo ...

Estimada associada,Segue, em anexo, a convocatória com a a Ordem de Trabalhos para a próxima Assembleia Geral Extraordinária da UMAR que terá lugar em Lisboa, na nossa sede nacional em Alcântara (CCIF/UMAR), no Domingo ...

Estimada associada,Segue, em anexo, a convocatória com a a Ordem de Trabalhos para a próxima Assembleia Geral Extraordinária da UMAR que terá lugar em Lisboa, na nossa sede nacional em Alcântara (CCIF/UMAR), no Domingo ...

No sábado dia 12 de dezembro pelas 20h no restaurante Solar dos Bicos (ao lado da Casa dos Bicos) em Lisboa, vai realizar-se um jantar de abertura da comemoração dos 40 anos da UMAR.O preço por pessoa é de 15 euros (preço ...

nao assedio
Comunicado de Imprensa - Relatório preliminar do OMA
A UMAR apresenta o Relatório preliminar do OMA – Observatório de Mulheres Assassinadas, com a síntese dos dados sobre femicídio e tentativas de femicídio ocorridos em Portugal, e noticiadas na imprensa de 1 de Janeiro a 20 de Novembro de 2017 contabilizando neste período um total de: 18 femicídios e 23 tentativas de femicídio.

Realçamos que até à presente data, o OMA regista a menor número de incidência anual de femicídios em Portugal. Efetivamente ao longo de 14 anos de relatórios do OMA é o primeiro ano que este Observatório registou 18 assassinatos de mulheres em relações de intimidade e familiares próximos e 23 femicídios na forma tentada.
Ler mais »»
 
OMA – Observatório de Mulheres Assassinadas da UMAR

Relatório preliminar (01 de Janeiro a 20 de Novembro de 2017)


A União de Mulheres Alternativa e Resposta – UMAR, dando continuidade ao trabalho que desenvolve no âmbito do Observatório de Mulheres Assassinadas – OMA que tem como fonte a imprensa nacional, apresenta dados sobre femicídio consumado e tentado noticiados, entre 01 de Janeiro a 20 de Novembro de 2017.

Começamos por realçar que até à presente data, o OMA regista a menor número de incidência anual de femicídios em Portugal. Efetivamente ao longo de 14 anos de relatórios do OMA é o primeiro ano que este Observatório registou 18 assassinatos de mulheres em relações de intimidade e familiares próximos.

Se, durante os primeiros 11 anos de relatórios do OMA, assistimos a uma oscilação ao nível da ocorrência de femicídios, verificamos, no entanto, uma diminuição da sua incidência nos últimos três anos, surgindo agora 2017 com um valor nunca antes registado pelo OMA (18 femicídios).

Se bem que este resultado seja ainda insuficiente para que possamos falar de uma tendência, esta diminuição é de congratular.

pdfDescarregar relatório preliminar »»
 
UMAR CONDENA decisão do Tribunal da Relação do Porto, APELANDO AO PROTESTO

6ª feira, 27 OUT, 18h | Praça da Figueira - Lisboa


A UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta viu a decisão do Tribunal de Felgueiras, agora confirmada pelo Tribunal da Relação do Porto com bastante perplexidade e revolta.

A fundamentação e a decisão tida pelo coletivo de juízes/as atenta contra os direitos, liberdades e garantias da(s) vítima(s) e, particularmente, contra a dignidade da pessoa humana.

Consideramos inadmissível que depois de tantas evoluções legislativas e de recomendações nacionais e internacionais - de onde se destaca a Convenção de Istambul - ainda se continue a legitimar a violência doméstica e a violência contra as mulheres.

Para além disso, a evocação à Bíblia ou a outros documentos religiosos não se coadunam com o Estado de Direito em que vivemos, descredibilizando as normas jurídicas impostas. Respeitamos a liberdade religiosa de cada um/a mas tal não é justificativa para se sobrepor ao ordenamento jurídico português.

A violência doméstica é crime e, como tal, a UMAR condena esta decisão do Tribunal da Relação do Porto.
Ler mais »»
 
Seminário: Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência contra as Mulheres e a Violência Doméstica (Convenção de Istambul) 24 de Novembro de 2017 – Auditório do CIUL
No âmbito do IPMPCVDVG da cidade de Lisboa, a UMAR, a C.M. Lisboa, em parceria com as entidades que o coordenam, promovem um Seminário sobre a Convenção de Istambul. O Seminário terá lugar no auditório do Centro de Informação Urbana de Lisboa (CIUL), no próximo dia 24 de Novembro.

Inscrições esgotadas

Esta iniciativa enquadrada no assinalar do dia 25 de Novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, tem por objectivos:

· Potenciar o conhecimento sobre a Convenção de Istambul e avaliação da sua implementação;

· Conhecer da prevalência da violência doméstica e de género na cidade de Lisboa;

· Facilitar conhecimento e debate em torno de outras formas de violência contra as mulheres inscritas na Convenção de Istambul; e,

· Contribuir para a reflexão sobre os impactos da Convenção de Istambul nas estratégias políticas, legislativas e medidas de prevenção, apoio e combate à violência contra as mulheres e a violência doméstica.
Ler mais »»
 
DOM, 15 OUT no CCIF/UMAR | 1º Encontro Nacional de Formadoras/es
encontro formadores 2017

A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta obteve a sua acreditação como entidade formadora em 2009 e a certificação em 2016.

Contudo, o seu percurso e experiência de formação remontam à década de 1990.

A área da formação tem merecido a melhor atenção e tornou-se um grupo de trabalho específico: o FORUMAR, grupo formado por uma equipa pedagógica e uma estratégia formativa empenhada no crescimento dos/as profissionais envolvidos/as e na disseminação de conhecimento.

Desenvolvido no seio de uma associação feminista este grupo é dotado de metodologias próprias e a sua missão é capacitar públicos variados para uma resposta concertada e eficaz na promoção da igualdade de género e prevenção e combate à violência de género, assim como outras discriminações.

A Bolsa formativa do FORUMAR integra um conjunto de formadoras/es especializadas/os capazes de uma resposta diferenciada e de qualidade.

No 1.º Encontro Nacional de Formadoras/es da UMAR, a decorrer no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) no Domingo, 15 de Outubro das 10h00 às 17h00, queremos contar com a sua presença e contribuição para enriquecer o nosso plano estratégico futuro.
Ler mais »»
 
A UMAR apoia e divulga esta iniciativa.
convite web Maria Lamas 1
 
EM TEMPOS DE ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS CARTA ABERTA AOS PARTIDOS POLÍTICOS
As autarquias locais são os órgãos do poder político com maior proximidade às pessoas.

As mulheres vivem grande parte dos seus quotidianos numa relação de proximidade com as realidades locais. Das respostas que existem ou não nos contextos sociais, culturais, económicos de cada autarquia, também depende a sua qualidade de vida.

A Igualdade de Género não é uma expressão vã.
Ler mais »»
 
Kate Millett (1934-2017) Teórica e activista feminista radical deixou-nos! Mas o seu legado permanece actual
Kate MillettUma das principais teóricas do feminismo radical faleceu no passado dia 6 de setembro em Paris com 83 anos.
A ela se deve o principal lema das feministas de segunda vaga: o pessoal é político. Introduziu o conceito feminista de Patriarcado, considerando que a as relações entre os sexos sempre se basearam na dominação masculina e que esta fazia parte da ideologia dominante. O seu livro Sexual Politics de 1970, baseado na sua tese de doutoramento na Universidade de Oxford é uma leitura imprescindível para se compreender o feminismo de segunda vaga.
Algumas das suas obras, como a edição portuguesa de Sexual Politics, podem ser consultadas gratuitamente no Centro de Documentação e Arquivo Feminista da UMAR, em Lisboa.

A UMAR lamenta profundamente o seu falecimento e tudo fará para preservar a memória histórica de Kate Millett.

Lisboa, 7 de Setembro de 2017
A direcção da UMAR
 
Aniversário da UMAR, 12 de Setembro| Jantar e Festa Feminista em Lisboa!
Jantar 41 anos 1

Vem celebrar o aniversário da UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta num Jantar e Festa Feminista! na próxima 3.ª feira, 12 de Setembro às 20h00 na Casa d@s Amig@s do Minho, em Lisboa (Rua do Benformoso, n.º 244, 1.º - próximo do Largo do Intendente)*

Canta uma canção, traz um poema, faz a festa connosco!
Ler mais »»
 
Formações da UMAR em Lisboa, de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e de Género | Inscrições abertas
Divulgamos as acções de formação (gratuitas) que serão realizadas pela UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta no âmbito do 1.º Plano Municipal de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e de Género da Câmara Municipal de Lisboa.

São 5 acções de formação, sendo que as inscrições para a Formação TAV - Técnicos/as de Apoio à Vítima terminam a 20 de Agosto.

Para mais informações, contactar: Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar
Ler mais »»
 
30 de Julho – Dia Mundial contra o Tráfico de Seres Humanos
logo coracao-pt 1Divulgamos documento da Rede Regional de Lisboa e Vale do Tejo de Apoio e Proteção a Vítimas de TSH, que a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta integra e subscreve, para o dia 30 de Julho de 2017.

O tráfico de seres humanos (TSH) constitui uma grave violação dos direitos humanos que afeta todos os países do mundo e pode potencialmente atingir cada um/a de nós.

Portugal é considerado como país de destino, trânsito e origem de pessoas vítimas do crime de tráfico de seres humanos. Em 2016, e de acordo com dados do Observatório do Tráfico de Seres Humanos (OTSH), foram sinalizadas 264 presumíveis vítimas de TSH. À semelhança do que vem acontecendo nos últimos anos, continua a verificar-se uma clara representatividade de registos de (presumível) tráfico para fins de exploração laboral (152). Ainda de acordo com dados do OTSH, “cruzando as variáveis Sexo e Tipo de Exploração observa-se uma clara dimensão de género: para os registos de tráfico para fins de exploração laboral prevalecem (presumíveis) vítimas do sexo masculino, e para os registos de tráfico para fins de exploração sexual prevalecem (presumíveis) vítimas do sexo feminino” (www.otsh.mai.gov.pt).
Ler mais »»
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 1 de 12